VAIDADE TODOS NÓS TEMOS, AFINAL, QUEM NÃO GOSTA DE ESTAR EM FORMA NO VERÃO? MAS ATÉ QUE PONTO A BUSCA PELO CORPO PERFEITO É SAUDÁVEL? VEJA ALGUMAS DICAS DA PSICANALISTA AGLAIR GREINPARA VOCÊ DESCOBRIR SE ESTÁ PASSANDO DOS LIMITES, POIS TALVEZ SEJA A HORA DE SE PREOCUPAR MENOS COM O CORPO E MAIS COM A SUA CABEÇA.CHEIO DE SAÚDE NA TERCEIRA IDADE.

Muita gente ultrapassa os limites, submetendo-se a cirurgias invasivas (e perigosas), sobrecarregando o organismo com exercícios e dietas totalmente exageradas, “torrando” no sol e comprometendo a saúde para alcançar um bronzeado que, muitas vezes, não é adequado para a tonalidade normal da pele.

Os riscos e resultados desse abuso já foram mencionados em outras edições do suplemento, e agora está na hora de falar nas possíveis causas dessa obsessão. Será apenas vaidade ou insegurança?

Em primeiro lugar, é preciso entender o que é imagem corporal: é a forma como nós vemos nosso próprio corpo e como imaginamos que as outras pessoas o vejam. Isso nem sempre corresponde à realidade, ou seja, uma pessoa pode estar magra, mas ela pensa que está gorda e acha que os outros também a vêem assim. É aí que mora o perigo.

Existem pessoas que se queixam do formato das unhas, dos lóbulos das orelhas, do tamanho das mãos, entre outros. Nesses casos, fica claro que trata-se de um problema com a auto imagem. Essas pessoas podem passar por diversas cirurgias plásticas, mas nunca estarão totalmente satisfeitas, pois a causa dessa insatisfação não está no corpo, mas sim no psicológico.

A obsessão por emagrecer ou conseguir um “corpo perfeito” impede que se tenha uma consciência de si mesmo, e isso leva a uma batalha interna que causa angústia e sofrimento, além de provocar uma permanente insatisfação que vai determinar alguns comportamentos considerados doentios. A distorção da imagem corporal pode ser percebida através dos seguintes sinais:

GRANDE INSATISFAÇÃO COM O CORPO OU PARTES DELE, QUE SE MANIFESTA COMO UMA “REPULSA” DO MESMO.

NEGAÇÃO DA “MAGREZA” OU DE CERTOS ATRIBUTOS FÍSICOS, AINDA QUE A PESSOA ESTEJA COM UM PESO NORMAL E RECEBA COMENTÁRIOS APRECIATIVOS.

QUEIXAS FREQÜENTES SOBRE “DEFEITOS” NO CORPO, AINDA QUE SEJAM IMPERCEPTÍVEIS PARA O RESTO DAS PESSOAS DO SEU CONVÍVIO.

“ENXERGAR” O TAMANHO OU FORMA DE CERTAS PARTES DO SEU CORPO DIFERENTES DO QUE REALMENTE SÃO.

EVITAR SITUAÇÕES OU LUGARES EM QUE TENHA QUE MOSTRAR ALGUMA PARTE DO CORPO (BIQUÍNIS, MINI SAIAS, ETC..)

ESCONDER OU DISSIMULAR CERTAS PARTES DO CORPO.

CASO VOCÊ SE ENCAIXE EM ALGUNS DESSES SINAIS, É HORA DE PROCURAR UMA AJUDA PROFISSIONAL PARA DESCOBRIR AS CAUSAS DO SEU PROBLEMA. AS ORIGENS QUASE SEMPRE ESTÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA (ATÉ OS 5 ANOS DE IDADE) OU NA ADOLESCÊNCIA.

Aglair Grein – psicanalista aglair.grein@gmail.com