A vontade de incentivar a leitura entre crianças, jovens e adultos fez com que a bibliotecária da secretaria municipal da Educação, Maria Eliane Martins, descobrisse uma característica nos bairros da cidade, não revelada por institutos de pesquisa que apontam diferenças geográficas, culturais e econômicas entre as nove regiões da cidade. "Cada bairro parece gostar de um tipo diferente de leitura", afirma a bibliotecária.

Responsável pela organização dos livros, seleção de materiais para restauro e supervisão dos atendentes em dez dos 45 Faróis do Saber da cidade, Maria Eliane aprendeu a tirar proveito da diversidade de interesses da população. Observando a lista de espera para a leitura de determinados títulos, ela passou a fazer um revezamento dos livros entre os Faróis.

"Como os interesses são diferentes em cada região, muitos livros que ficavam esquecidos nas prateleiras de uma unidade eram justamente os que apareciam em primeiro lugar na lista de espera de outra, conta Maria Eliane".

Foi a consciência sobre a importância da leitura para o desenvolvimento das pessoas que fez com que a bibliotecária encontrasse uma forma para agilizar o contato dos leitores com os livros. Ao invés de esperar que o transporte do material fosse feito por meio de malotes, da secretaria municipal da Educação, ela própria passou a transportá-los, de um Farol do Saber para outro.

De ônibus, e com a ajuda de uma mochila equipada com rodinhas, ela percorre quatro Faróis do Saber da regional Portão, e outras seis unidades da CIC para fazer o revezamento dos livros e atender a demanda da população.

"É um trabalho que me dá o maior prazer", diz Maria Elaine que se orgulha em colecionar situações onde sua colaboração permitiu o crescimento pessoal e profissional das pessoas. Um dos exemplos envolve a comunidade da Vila Nossa Senhora da Luz, onde fica o Farol do Saber Frei Miguel.

Lá, a maior procura é por livros de filosofia e ao perceber que um dos mais emprestados era "O mundo de Sofia", romance que torna fácil o pensamento filosófico, a bibliotecária tratou de juntar nas outras unidades, o maior número possível de exemplares. "Tenho certeza que contribui para a realização de muitos trabalhos de uma universidade que fica vizinha ao Farol", disse Maria Eliane.

Em outro bairro da região sul da cidade, o Tatuquara, a maior procura dos freqüentadores do Farol do Saber Dona Pompília são por livros de matemática e português. A região é formada por pessoas que migraram do interior do estado e concentra um grande número de adultos que buscam concluir a escolarização. "Procuro levar para aquele Farol, todos os livros que auxiliem na alfabetização de jovens e adultos", explica Maria Eliane.

O contato direto com as comunidades é fundamental para que a bibliotecária reconheça os gostos de cada um. Trabalhando há mais de dezenove anos na Prefeitura, a servidora que começou a carreira na rede de ensino atuando como professora de alunos das primeiras séries do ensino fundamental, desenvolveu formas criativas de estimular a leitura nas pessoas.

"É preciso oferecer aquilo que faz sentido para as pessoas", afirma Maria Eliane. Na Fazendinha, segundo ela, não são os romances nem as aventuras e ficções que atraem as pessoas para o Farol. "O que mais agrada aquela comunidade são os livros e revistas que tratam de artesanato e artes manuais", completa a bibliotecária.

Foram parar no Farol do Saber Padre Antonio Vieira, no Caiuá, a maioria dos livros sobre temas esotéricos que a bibliotecária reuniu nas unidades que supervisiona. Está é a preferência na região que trocou exemplares com as outras unidades para aumentar a oferta de títulos para seus freqüentadores.

A poesia e a literatura brasileira são os gêneros preferidos pelos jovens e são os mais procurados pelas meninas e meninos que freqüentam o Farol do Saber Clarisse Lispector, no Novo Mundo.

Outros títulos bastante procurados nos Faróis do Saber são os livros recomendados pelas Universidades como leitura para o vestibular. Estes podem ser encontrados em todos os Faróis do Saber que possuem, no mínimo, dois exemplares de cada um. O empréstimo pode ser feito por um período de até quinze dias, podendo ser renovado, desde que não haja liste de espera.

Além de um acervo de cerca de sete mil títulos, os 45 Faróis do Saber têm laboratórios de informática, com computadores conectados à internet.

O acesso, tanto a biblioteca quanto a rede mundial de informação é gratuita. Basta apenas que o usuário faça uma carteirinha de usuário apresentando um a carteira de identidade ou certidão de nascimento e a conta de luz. Para utilizar os computadores, as pessoas precisam agendar horário.