A Defesa Civil Estadual está atenta a alterações climática nas regiões Norte e Noroeste do Paraná, devido às chuvas constantes que estão causando enchentes e estragos em vários municípios. Em Nova Esperança, uma inundação deixou 20 pessoas desalojadas e duas residências e uma edificação pública destruídas. Houve danos também em vias urbanas e uma estrada rural foi danificada. "O maior problema é que a chuva, mesmo moderada, é constante", explicou o chefe da seção operacional da Defesa Civil, tenente Gilson Matos.

Outra cidade atingida foi Querência do Norte, onde várias ilhas foram inundadas devido o aumento gradativo do Rio Paraná. Na cidade, 17 famílias ? um total de 90 pessoas ? tiveram que ser transportadas para casas de familiares ou amigos. Houve também prejuízos nas lavouras de milho, mandioca e arroz. "Outro problema é que as chuvas não atingem só o Paraná, mas também Minas Gerais e São Paulo. Assim, o fluxo de água é liberado por várias barragens, entre elas Jupiá e Rossana, e há um aumento nos níveis dos rios", conta ele.

Nas últimas semanas as cidade de Janiópolis, Maringá, Londrina, Ribeirão Claro, Flórida, Cianorte, Lobato, Munhoz de Mello, Arapongas e Jaguitá foram atingidas por estas constantes chuvas. Os municípios de Diamante do Norte, Apucarana e Flórida foram os mais castigados.

A Defesa Civil está em alerta para possíveis alterações climáticas que agravem a situação. O tenente Gilson de Mattos, chefe da seção operacional da unidade, orienta que moradores de áreas de risco, como encostas de barrancos e beiras de rios, procurem casa de amigos ou parentes em locais mais seguros. Em situações de emergência, as pessoas naquelas localidades devem ligar para o telefone 193, do Corpo de Bombeiros (na capital o telefone é 190), um dos braços da Defesa Civil.