Foto por: Javier Soriano

O técnico espanhol, Vicente del Bosque, afirmou neste domingo que a Espanha merece esta Copa do Mundo, após derrotar a Holanda por 1 a 0 em um jogo dramático.

“Há uma grande alegria. Estamos contentíssimos, e a Espanha merece este Mundial. Vamos comemorar muito por dar este triunfo ao nosso país”.

Del Bosque, que manteve a base da seleção campeã da Europa há dois anos, destacou os méritos de seu predecessor, Luis Aragonés, que conduziu a Fúria ao título europeu.

“Este título mundial tomou impulso em junho de 2008. É fruto de muito trabalho anterior. Recebemos uma boa herança e tivemos a oportunidade de conservá-la (…) apesar de haver alguns jogadores novos”.

“Estamos encantados com todos os jogadores. Nestes 50 dias de concentração não tivemos o menor problema. Quando se consegue um título é mérito de todos. Este sucesso não é singular”.

O treinador destacou o futebol atrativo e ofensivo desenvolvido pela Espanha, que também não abriu mão da luta, da garra, como mostrou Carlos Puyol no gol da vitória sobre a Alemanha nas semifinais. “Temos grandes jogadores e provaram isto”.

Sobre a final, Del Bosque explicou que o futebol amarrado e pouco criativo na maior parte do jogo foi provocado pelo adversário: “se não jogamos bem foi por mérito” da Holanda, “que aguentou 90 minutos de um ritmo difícil; fizeram um grande esforço físico contra nosso domínio”.

“Acredito que sou obrigado a felicitar o adversário, que nos pressionou, nos prendeu e não nos deixou jogar com facilidade”.

O treinador espanhol evitou criticar a dureza utilizada por seu adversário, que recebeu nove cartões amarelos e um vermelho, dado a John Heitinga aos 4 minutos do segundo tempo da prorrogação.

“Estou aqui para falar de coisas boas. A Holanda fez coisas boas. Tentou vencer, trabalhou para isso. Houve algumas ações bruscas, mas isso faz parte do futebol”.

Del Bosque, afirmou que a entrada de Cesc Fábregas aos 86 minutos da final da Copa do Mundo foi fundamental para a vitória da Espanha sobre a Holanda, por 1 a 0.

O volante do Arsenal substituiu Xabi Alonso a quatro minutos do final do tempo regulamentar, logo após uma grande oportunidade de Arjen Robben.

Com a substituição, a Espanha dominou a prorrogação e acabou liquidando os holandeses com um gol de Andrés Iniesta após passe de Fábregas, a cinco minutos do fim do jogo.

“Cesc mudou um pouco o rumo da partida, conduziu muitas ações e controlou a bola. Depois da oportunidade de Robben, que coincidiu com a entrada de Cesc, tivemos mais chances claras. É o futebol”.

Foto por: Javier Soriano

O técnico espanhol, Vicente del Bosque, afirmou neste domingo que a Espanha merece esta Copa do Mundo, após derrotar a Holanda por 1 a 0 em um jogo dramático.

“Há uma grande alegria. Estamos contentíssimos, e a Espanha merece este Mundial. Vamos comemorar muito por dar este triunfo ao nosso país”.

Del Bosque, que manteve a base da seleção campeã da Europa há dois anos, destacou os méritos de seu predecessor, Luis Aragonés, que conduziu a Fúria ao título europeu.

“Este título mundial tomou impulso em junho de 2008. É fruto de muito trabalho anterior. Recebemos uma boa herança e tivemos a oportunidade de conservá-la (…) apesar de haver alguns jogadores novos”.

“Estamos encantados com todos os jogadores. Nestes 50 dias de concentração não tivemos o menor problema. Quando se consegue um título é mérito de todos. Este sucesso não é singular”.

O treinador destacou o futebol atrativo e ofensivo desenvolvido pela Espanha, que também não abriu mão da luta, da garra, como mostrou Carlos Puyol no gol da vitória sobre a Alemanha nas semifinais. “Temos grandes jogadores e provaram isto”.

Sobre a final, Del Bosque explicou que o futebol amarrado e pouco criativo na maior parte do jogo foi provocado pelo adversário: “se não jogamos bem foi por mérito” da Holanda, “que aguentou 90 minutos de um ritmo difícil; fizeram um grande esforço físico contra nosso domínio”.

“Acredito que sou obrigado a felicitar o adversário, que nos pressionou, nos prendeu e não nos deixou jogar com facilidade”.

O treinador espanhol evitou criticar a dureza utilizada por seu adversário, que recebeu nove cartões amarelos e um vermelho, dado a John Heitinga aos 4 minutos do segundo tempo da prorrogação.

“Estou aqui para falar de coisas boas. A Holanda fez coisas boas. Tentou vencer, trabalhou para isso. Houve algumas ações bruscas, mas isso faz parte do futebol”.

Del Bosque, afirmou que a entrada de Cesc Fábregas aos 86 minutos da final da Copa do Mundo foi fundamental para a vitória da Espanha sobre a Holanda, por 1 a 0.

O volante do Arsenal substituiu Xabi Alonso a quatro minutos do final do tempo regulamentar, logo após uma grande oportunidade de Arjen Robben.

Com a substituição, a Espanha dominou a prorrogação e acabou liquidando os holandeses com um gol de Andrés Iniesta após passe de Fábregas, a cinco minutos do fim do jogo.

“Cesc mudou um pouco o rumo da partida, conduziu muitas ações e controlou a bola. Depois da oportunidade de Robben, que coincidiu com a entrada de Cesc, tivemos mais chances claras. É o futebol”.