Uma delegação do Paraguai, chefiada pelo vice-chanceler Emilio Giménez Franco, se reunirá nesta terça-feira com representantes do governo para avaliar o acordo de cotas. Fechado em 1º de abril de 2005, ele permitiu a retomada da cota de US$ 300 para a importação legal de mercadoria, por turistas, do país vizinho. O encontro é no Itamaraty, em Brasília.

Os paraguaios estão preparados para uma reunião tensa: na sexta-feira, o embaixador Luiz González Arias foi convocado ao Itamaraty, onde foi repreendido pelo descumprimento do acordo que previa, entre outras coisas, maior empenho do país vizinho na repressão ao contrabando. A chanceler paraguaia Leila Rachid foi informada da queixa no sábado, quando fez escala em São Paulo ao retornar de uma viagem à Turquia.

A reunião com o embaixador paraguaio foi precedida de uma conversa, por telefone, entre o cônsul brasileiro em Foz do Iguaçu, Antonio Fernando Cruz de Mello, e o prefeito de Ciudad del Leste, Javier Zacarías Irún, cidades ligadas pela Ponte da Amizade, também na sexta-feira.