A rápida disseminação de focos da dengue em países do Cone Sul atingiu níveis alarmantes e já mobiliza ajuda internacional. Pelo menos 38 mil casos da doença foram registrados no Paraguai, Bolívia, Argentina e Brasil nos primeiros meses de 2007. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), este ano deve ser um dos mais difíceis para o combate à dengue.

Após ser erradicada na década de 1950, nos últimos 25 anos a doença vem causando fortes surtos cíclicos após períodos de três a cinco anos com incidência moderada. A tendência é que as eclosões se intensifiquem, diz relatório da Opas divulgado em Assunção. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 2,5 bilhões de pessoas em todo o mundo correm risco de infectar-se. A dengue é endêmica em mais de cem países, mas a OMS adverte que na América do Sul está adquirindo status de prioridade.

O fenômeno está associado a chuvas mais fortes do que a média histórica e a altas temperaturas, condições ideais para a proliferação do vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti. O Paraguai enfrenta desde o começo do ano a pior epidemia de dengue de sua história, com 16.877 infectados confirmados até ontem, segundo números oficiais. Segundo especialistas independentes, seriam na verdade 150 mil casos. Políticos e jogadores de futebol famosos também adoeceram e dez pessoas morreram.

A esperança de médicos, ante a impotência do Estado para controlar os focos, é que o clima mais frio a partir de abril normalize a situação. Um pequeno grupo de especialistas enviados por França, Cuba, Argentina, Brasil e El Salvador estão colaborando na contenção e estudo das características da epidemia. Mas a principal ajuda vem da Espanha. A Agência Espanhola de Cooperação Internacional anunciou nesta quinta-feira (8) que vai destinar US$ 125 mil para o combate à dengue no Paraguai.

Na Bolívia foram registrados 2 mil casos de dengue clássica nos dois primeiros meses de 2007, mais oito da versão hemorrágica. Quase todos ocorreram no Estado de Santa Cruz, que vem sofrendo fortes inundações desde o final de dezembro. Na Argentina, o Ministério da Saúde confirmou 126 casos de dengue e divulgou que 415 pacientes com sintomas da doença estão em observação. Do total, só três são autóctones, ou seja, originados em território argentino.