Rio (AG) – O técnico em eletrônica Mauro Peczek, de 37 anos, é uma prova de que a dengue não parou de fazer vítimas no Rio. Morador da Rua Bambina, em Botafogo, ele começou a apresentar, no último dia 21, os sintomas da doença, que o deixou de cama por dez dias. Mauro ainda não sabe o tipo de vírus que contraiu – o exame ficará pronto hoje – e não tem idéia de onde possa ter sido infectado pelo mosquito ?Aedes aegypti?. Ele chegou a ficar internado por um dia, no Hospital Adventista Silvestre, para tomar soro.

– Não faço idéia de onde contraí a doença. Por causa do meu trabalho, percorri pontos diferentes da cidade, como o Centro, a Penha e a Ilha do Fundão. Em Botafogo, onde eu moro, não soube de qualquer caso entre os vizinhos. Na minha casa, também ninguém ficou doente – conta ele, que mora com a mulher e uma filha e nunca tinha contraído dengue antes.

Com febre alta, dores de cabeça e vômitos, Mauro conta que inicialmente achou que se tratava de uma gripe forte. Como não melhorou, ele decidiu procurar um médico três dias do aparecimento dos sintomas.

– Ele logo suspeitou que pudesse ser dengue e mandou que eu fizesse um exame de sangue – explica o técnico em eletrônica.

Mauro conta que entre os dias 21 e 29, ele mal pôde sair da cama. Durante esse período, chegou a emagrecer seis quilos. Apenas a partir do dia primeiro deste mês ele conseguiu retornar ao trabalho:

– Foi muito ruim. Fiquei ao todo dez dias sem poder trabalhar. Espero não passar por isso de novo.

Apenas hoje ele receberá o resultado do exame de sangue que identificará o tipo de vírus que ele contraiu. A pedido do médico, o técnico em eletrônica irá a um posto de saúde informar seu caso, que ainda não foi notificado às autoridades de saúde.