Mais de 500 servidores e 130 policiais federais já foram afastados por denúncias de corrupção no atual governo. A informação é do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concede hoje (24) a segunda de uma série de entrevistas a comunicadores de rádio. A primeira ocorreu na última sexta-feira (18).

Lula disse que é preciso apurar cuidadosamente as denúncias antes de afastar um funcionário. Sobre as denúncias de "mensalão" e o envolvimento de autoridades em esquemas de corrupção, o presidente reafirmou que existem pessoas que estão mais interessadas em "denunciar sem trégua" do que investigar. "O que o presidente da República tem que fazer é não fugir da sua responsabilidade", afirmou. "E eu sou daqueles que querem apurar a verdade doa a quem doer. Agora, tem critérios. Eu não posso enforcar para depois julgar. Primeiro, eu preciso julgar para tomar as outras atitudes", acrescentou.

O presidente negou novamente ter tido conhecimento prévio das denúncias de suposto pagamento de mesada a deputados para aprovarem projetos de interesse do governo, o chamado mensalão. "Só tem três possibilidades de o presidente saber (de irregularidades): ou se ele participou da reunião, ou se alguém que participou contou para ele, ou se a imprensa denunciar".