O deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE) acusado pelo empresário Sebastião Buani de ter ajudado a redigir uma carta prorrogando, até janeiro de 2005, a concessão do restaurante Fiorella, do 10.º andar do anexo 4 da Câmara, divulgou nota afirmando que a participação dele no episódio "foi tão somente ter orientado o sr. Augusto Buani na elaboração do requerimento que pedia a renovação do contrato do restaurante".

Patriota afirma ainda que não estava presente e não tomou conhecimento de nenhum pedido de propina feito pelo presidente da Casa, Severino Cavalcanti (PP-PE), a Buani. "Nunca tive qualquer informação ou notícia de repasse de dinheiro do dono do restaurante da Câmara para Severino Cavalcanti", conclui o comunicado.