Brasília ? A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Armas aprovou hoje (28) o requerimento que pede a prorrogação dos trabalhos por 60 dias. Neste momento, os deputados vão entregar o documento ao presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), a quem cabe a decisão final.

Os trabalhos da CPI estavam previstos para terminar na próxima segunda-feira, dia 5 de julho. Se for aprovada a prorrogação, eles se estendem até o começo de setembro.

O relator da comissão, deputado Paulo Pimenta (PT-RS) disse que tem condições de apresentar o relatório preliminar na segunda-feira. "Trabalhamos para cumprir o prazo, mas esse não é um debate político ou eleitoral, pelo contrário, é uma das poucas comissões que trabalham para cumprir objetivos concretos".

Os parlamentares da CPI deveriam ouvir hoje o ex-secretário de Administração Penitenciária de São Paulo, Nagashi Furukawa, mas ele não aceitou o convite. Se os trabalhos forem prorrogados, a comissão deve tentar aprovar o requerimento para a convocação do ex-secretário. Com isso, os deputados esperam que Furukawa explique as ações do governo paulista frente aos ataques a cidades de São Paulo atribuídos a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O objetivo é saber se o governo negociou o fim dos atques com criminosos.