Duas hipóteses conflitantes tentam explicar a causa do descarrilamento de um trem expresso que seguia de Calcutá para Nova Délhi, que deixou pelo menos 80 mortos e cerca de 170 feridos, disseram hoje (10) fontes do governo indiano. O trem descarrilou sobre uma ponte. Um dos vagões caiu dentro de um rio, dois outros ficaram pendurados e os demais espalhados em torno dos trilhos.

O incidente ocorreu em uma zona do leste da Índia em que operam rebeldes comunistas, levando as autoridades a suspeitarem de sabotagem. No entanto, políticos opositores consideraram o desastre um acidente, e atribuíram sua causa ao antigo e desgastado sistema ferrovário indiano.

Os 13 vagões do Expresso Rajdhani descarrilaram quando o trem cruzava uma ponte sobre o rio Dhave numa região rural no leste do estado de Bihar perto da cidade de Rafiganj, a 675 km ao sul da capital, Nova Délhi.

Minutos após o descarrilamento, o luxuoso trem, equipado com ar condicionado, não passava de uma motanha de metal retorcido.

Na noite desta terça-feira (hora local), 67 corpos já haviam sido resgatados e outras 13 pessoas gravemente feridas morreram nos hospitais das três cidades mais próximas, disse aos repórteres o chefe regional do serviço ferroviário, K. K. K. Saxena. Os grupos de resgate ainda tentavam entrar em um dos vagões. Mais de 170 pessoas ficaram feridas.

Aziz Mirza, um dos passageiros feridos, disse à emissora independente Aaj Tak que um companheiro de viagem que mudou de lugar com ele morreu e que ele próprio escapou porque estava na primeira fileira.

O expresso conduzia 535 passageiros, além de 70 empregados ferroviários, no momento do incidente, antes da meia-noite de segunda-feira, quando trafegava a uma velocidade de 130 km por hora.  

Em Patna, a capital do estado de Bihar, e em Nova Délhi, a capital indiana, vários políticos atribuíram a responsabilidade pelo desastre à má condição das ferrovias. Opositores disseram que a ponte de 86 anos, construída pelos ingleses que governavam a Índia em 1916, estava muito deteriorada e não havia sido reparada, tornando o local mais vulnerável a acidentes – hipótese negada pelos funcionários da rede. 

A Índia tem mais de 120.000 pontes de aço, das quais mais da metade foi construída há mais de 100 anos. Após uma colisão de trens em 1998 que matou 210 pessoas, uma comissão investigadora havia defendido a urgente substituição de 526 pontes extremamente deterioradas, identificadas como ?em estado terminal?. (AE-AP)