Rio – O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Victor Martins, voltou a falar hoje (25) sobre o déficit de gás para consumo industrial e geração de energia térmica na Região Nordeste, notadamente na Bahia. Segundo Martins, estudos realizados no âmbito da ANP e do Ministério das Minas e Energia mostram que o problema já existe, mas que será maior a partir de 2010.

"Não estou querendo provocar uma situação de alarme, mas existe um problema, há tempo para ele ser corrigido, e precisa ser tomada uma decisão para evitar que ele venha a se configurar", afirmou Martins. A decisão seria a construção de um ramal do Gasbol (Gasoduto Bolívia-Brasil) para o Nordeste, disse ele.

"Existe tempo hábil para esse gasoduto estar pronto até 2010, caso a decisão do investimento não seja postergada por um período longo", explicou Martins. Ele ressaltou que já existe, na Bahia, "nitidamente", uma necessidade adicional de gás, e que há restrição da demanda nos outros estados.

Dados da Associação Brasileira de Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) apontam para um déficit de 16,479 milhões de metros cúbicos de gás por dia no Nordeste.

Victor Martins participou hoje do seminário Novas Tendências do Mercado de Gás Natural, na Associação Comercial do Rio de Janeiro, onde fez palestra sobre as resoluções da ANP que tratam do transporte de gás natural no país.