A diretora-executiva do Ibope Opinião, Márcia Cavallari Nunes, enviou hoje uma carta ao jornalista Paulo Moreira Leite, diretor de Redação da revista ?Época?, em que diz que os dados creditados ao instituto e que foram usados na reportagem intitulada ?É na TV que a guerra se decide?, da edição desta semana, são incorretos.

No texto, ?Época? informou que ?pesquisa do Ibope com 3 mil entrevistas revela que Ciro Gomes caiu 3 pontos porcentuais. Seus eleitores se dividiram entre Luiz Inácio Lula da Silva (que subiu 1 ponto) e José Serra (2 pontos).? Leite, por sua vez, afirmou , por meio de uma nota, que os dados da reportagem ?foram checados com fonte responsável do próprio Ibope? e que ?esses mesmos dados, com a mesma origem, foram confirmados com mais duas fontes ouvidas pela revista?.

De acordo com Márcia, o levantamento foi realizado para estudos internos do órgão, sem o fim de divulgação, e que, por isso, não foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). ?Foi com total surpresa que lemos a reportagem?, diz a carta.

A diretora-executiva do Ibope Opinião relata ainda que toda sondagem, para ser divulgada, deve ser registrada com cinco dias de antecedência no TSE, e que, portanto, ?esta divulgação, à revelia do Ibope, infringe a legislação eleitoral vigente?.

O jornalista argumentou que a pesquisa havia sido divulgada pela imprensa, de forma incompleta, no sábado (17). ?Mesmo se tratando de uma pesquisa interna, como alega o Ibope em sua nota oficial, esses dados foram transmitidos à revista como sendo verdadeiros e bem apurados, coerentes com levantamentos anteriores da instituição?, argumentou.