A greve dos funcionários do Banco Central (BC), iniciada há uma semana em todo o país, começa a afetar a distribuição de dinheiro aos bancos a partir desta segunda-feira. A informação é de Sérgio Belsito, presidente do Sindicato dos Funcionários do BC no Rio de Janeiro (Sinal).

"O Departamento de Meio Circulante do BC, responsável por essa área, já está há um bom tempo paralisado. Com a possibilidade de uma greve deflagrada pelos bancos a partir de quarta-feira, com certeza haverá falta de dinheiro à população, que vai encontrar dificuldades na hora de efetuar saques", disse Belsito.

Segundo a assessoria do BC, em Brasília, no entanto, este serviço não foi afetado. Nas regiões metropolitanas onde a distribuição de dinheiro aos bancos pelo BC poderia ser prejudicada, a atividade foi realizada pelo Banco do Brasil.

Segundo o Sinal, a greve tem adesão de 90% dos funcionários no Rio de Janeiro e 85% no país. Segundo Belsito, a concessão de uma reposição salarial média de 5% proposta pelo governo faria com que algumas categorias tivessem um aumento de apenas 2%. Para ele "trata-se de uma falta de respeito, principalmente com o pessoal que está em fim de carreira". Nesta terça-feira, o sindicato se reúne com o Ministério do Planejamento e espera ter outra proposta do governo para submeter à categoria.

Além de pleitear reajuste salarial de 15%, os funcionários do BC querem solução para outras reivindicações, como as referentes a plano de saúde e a gratificações.