A dívida pública mobiliária federal interna atingiu em agosto R$ 920,79 bilhões. Em julho, a dívida foi de R$ 915,67 bilhões, 0,6% menor. Do total da dívida de agosto, R$ 219,79 bilhões correspondem a títulos prefixados, o equivalente a 23,87% do total da dívida. No mês de julho, essa participação era de 22,37%. Os papéis com rentabilidade determinada pela taxa Selic somaram, no mês passado, R$ 514,22 bilhões, o que corresponde a 55,85% do total. No mês anterior, houve uma queda nesse tipo de papel, que somava R$ 524,84 bilhões, o que correspondia a 57,32% da dívida.

O total de papéis atrelados a índices de preços se manteve praticamente estável, somando R$ 126,23 bilhões, o equivalente a 13,71%. A dívida atrelada à variação cambial registrou uma pequena redução em agosto, passando de R$ 37,99 bilhões para R$ 37,87 bilhões , que corresponde a 4,11% do endividamento total. Os títulos com remuneração determinada pela TR somaram R$ 22,69 bilhões, correspondente a 2,46%. O cálculo da composição da dívida inclui as operações de swap.