Rio – O dólar baixo foi o principal fator que levou o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) de 2005 a registrar a taxa mais baixa de sua história, iniciada em 1944. A avaliação é do coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Salomão Quadros. Ele comentou que a valorização cambial no ano passado foi muito forte.

Quadros disse que a cotação do dólar caiu em média 20% em 2005. Isso puxou para baixo os preços de produtos relacionados à moeda norte-americana, principalmente as commodities, derrubando a inflação no atacado – que tem maior peso na formação da taxa dos IGPs, com participação de 60% do total do indicador.

Uma das influências mais positivas de se encerrar o ano com uma taxa tão baixa, segundo Quadros, seria no reajuste de telefonia fixa. Ele comentou que, embora o governo tenha decidido não mais utilizar somente o IGP-DI como indexador, o indicador vai participar, de alguma forma, no cálculo do reajuste na tarifa de telefonia. "Pelo que eu entendi nas últimas notícias nos jornais, a telefonia fixa este ano será reajustada pelo IGP-DI e por esse índice setorial que está sendo feito pelo governo", afirmou.