A moeda norte-americana interrompeu nesta quinta-feira (22) as quedas que vinha sofrendo em relação ao real desde segunda-feira. O dólar comercial, negociado no mercado interbancário, subiu 0,05% e fechou valendo R$ 2,061. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar negociado à vista terminou o dia estável, a R$ 2,059.

Mesmo assim, a moeda se manteve na menor cotação desde o dia 5 de maio do ano passado, quando valia R$ 2,055 em ambos os mercados.

O recuo das cotações no início do dia até a mínima de R$ 2,05, na BM&F (o dólar comercial caiu até R$ 2,054), atraiu às compras algumas tesourarias e investidores estrangeiros. Além disso, a venda pelo Banco Central no leilão hoje de US$ 1,305 bilhão em contratos de swap cambial reverso – em que o governo se compromete a pagar uma taxa de juros e recebe em troca a variação do câmbio no período – também ajudou a conter a queda das cotações.

No leilão de swap reverso, o BC vendeu o lote integral de 27,3 mil contratos, com quatro vencimentos diferentes, num total de US$ 1,305 bilhão, equivalentes a 100% da rolagem do próximo vencimento em 2 de abril.