Apesar das equipes da Sanepar já terem percorrido 134 quilômetros, a pé, visitando os donos de imóveis de Guaratuba, apenas 4% dos atendidos pela nova rede coletora de esgoto fizeram a ligação corretamente. ?A responsabilidade para despoluir o meio ambiente e garantir melhor qualidade de vida depende, agora, de cada um de nós,? analisa a diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Maria Arlete Rosa.

Do total de pessoas que já poderiam ter feito a interligação do imóvel à rede coletora pública, apenas 36% dos usuários aderiram ao serviço. Os que assinaram o termo de adesão, mas até agora não executaram a ligação, devem fazê-la nos próximos dias, conforme agenda definida com as equipes de educação sócio-ambiental.

Os 64% dos clientes que ainda não responderam as cartas, as 6.060 visitas feitas aos imóveis e aos telefonemas, deverão enfrentar o peso da lei. O Código Sanitário obriga que todos os imóveis atendidos pela rede coletora pública de esgoto façam a ligação.

Maria Arlete destaca que toda a sociedade poderá arcar com as conseqüências da demora dos proprietários em fazer a ligação. Ela explica que este esgoto, das ligações irregulares, acaba chegando no mar e compromete a balneabilidade das praias.

Os proprietários que já executaram a ligação devem solicitar pelo telefone 115 a vistoria final. Por este mesmo número é possível agendar a visita para assinar o termo de adesão.

Convênio assinado entre Prefeitura e Sanepar facilita a execução da ligação. Os que tiverem dificuldade para fazer o serviço, podem autorizar a Prefeitura que o faça. A Sanepar está investindo R$ 107 milhões nos sistemas de coleta e de tratamento do esgoto do litoral.