“Metade de mim agora é assim: de um lado a poesia, o verbo, a saudade. Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim”. Em letras brancas, o trecho da música “O Anjo Mais Velho”, do grupo O Teatro Mágico, foi escolhido pela família Spitzner para o convite da cerimônia de missa de sétimo dia da jovem Tatiane há algumas semanas. Mais velha entre as 7 netas do senhor Valdemir Spitzner, 72, a jovem advogada era conhecida pela personalidade extrovertida e criativa. Marcas registradas da moça, o belo sorriso e o jeito carinhoso, infelizmente não foram os últimos vestígios deixados por ela já que, em imagens divulgadas pela Polícia Civil de Guarapuava na última semana, Tatiane surge como uma figura triste, ferida e desesperada, tentando se desvencilhar de um homem frio e violento que a agredia à base de socos e ponta-pés. Os registros foram os últimos da jovem em vida e, não bastasse a dor da perda, a divulgação das imagens provocou verdadeira indignação entre familiares da jovem, que agora, juntos, lutam por justiça em nome de seu “anjo mais velho”.

Video mostra Luis Felipe agredindo Tatiane antes da sua morte

Para saber um pouco melhor quem foi Tatiane Spitzner, a Tribuna do Paraná conversou com exclusividade com um dos tios dela, que revelou que a família pouco sabia a respeito da relação abusiva entre a advogada e o professor Luis Felipe Manvailer e afirmou: “ela jamais se jogaria daquele prédio”.

“Meu braço sempre vai estar aqui. Qualquer coisa é só se pendurar nele”. Esse é o lema que o avô de Tatiane, Valdemir Spitzner de 72 anos, sempre diz a cada um de seus 11 netos quando algo não vai bem. Mesmo com todo o apoio dos familiares e amigos, fato é que Tatiane jamais deixou transparecer as dificuldades que vinha enfrentando em seu casamento nos últimos meses e seja pela opção de poupar a família, seja por preferir não expor a vida íntima, sofria calada. “Nós nunca a vimos reclamando ou chorando pelos cantos. Muito pelo contrário. Ela sempre foi sorridente, alegre e muito divertida”, revela o tio da moça, Marcos Spitzner, 52.

Segundo Marcos, a família pouco sabia sobre os problemas que a jovem vinha enfrentando e que, nas vezes em que ela revelou a possibilidade de se divorciar, teve todo o apoio dos pais. “Meu irmão sempre a apoiou e orientou em relação a isso. Nossa família tem o hábito de lutar junta para ver todo mundo feliz e bem, a gente realmente não sabia que ela estava vivendo uma relação abusiva”, revelou. E continuou: “ela não era assim, triste, oprimida. É terrível ver o que aconteceu”, disse.

Por trás das imagens chocantes que mostram os últimos momentos de Tatiane em vida, segundo o tio, existia uma jovem alegre, de riso fácil e cheia de força de vontade. Sempre muito falante e cheia energia, Tatiane reunia os traços da advogada bem sucedida com os da menina doce e falante. Habilidosa com as artes, a jovem criava músicas e peças de teatro que apresentava nos eventos da família, só para arrancar risos dos parentes. “Nos preparativos para a formatura da minha filha a Tatiane fez o maior agito no grupo da família. Ela queria invadir a cerimônia e fazer uma peça de teatro improvisada”, revela.

Cercada de amigos e dedicada ao trabalho, Tatiane dividia suas paixões entre os animais e as corridas de rua. “Se pudesse, ela levava todos os bichinhos pra casa. Ela não tolerava maus tratos e se mobilizava para ajudar os cãezinhos abandonados que cruzavam seu caminho”, revela. Maratonista, a jovem colecionava medalhas e levava a sério a atividade. Entre os maiores destaques, a Corrida de São Silvestre, em São Paulo, que completou recentemente.

Tatiane era exemplo para as primas. Foto: Reprodução/Facebook
Tatiane era exemplo para as primas. Foto: Reprodução/Facebook

Influência entre as primas, a advogada era “aquela que todas queriam ser”. Os cabelos negros longos e o belo sorriso da moça só não se destacavam mais que a determinação em buscar seus sonhos. “Quando íamos visitá-los, minha filha corria pra casa da Tatiane e ficava lá por horas e horas de papo com a prima. Ela se inspirava muito na Tati, inclusive da escolha da profissão”, afirma Marcos. Dedicada à carreira jurídica, Tatiane tinha planos maiores em relação à vida profissional. De acordo com o tio, seu objetivo era seguir carreira pública tendo, inclusive, se inscrito num concurso da Polícia Federal.

No que diz respeito ao relacionamento da jovem com o professor, a família pouco fala. No entanto, segundo Marcos, a relação entre Luis Felipe e os familiares da moça sempre foi boa. “Os pais da Tati tratavam ele muito bem e sempre o acolheram em sua casa”, afirmou. Abalados, os pais da jovem, Jorge e Dolores Spitzner, têm preferido não falar com a imprensa e, de acordo com Marcos, têm tido dificuldades em superar o luto. “Meu irmão está voltando aos poucos ao trabalho mas minha cunhada não têm condições de se pronunciar sobre esse assunto. Estamos todos sofrendo muito, sem saber muito bem o que fazer”, afirmou.

No meio de tantas incertezas, uma convicção. Segundo Marcos, a família tem certeza que Tatiane não se jogou do prédio na noite de sua morte. Ele refuta quaisquer suspeitas de que a jovem fosse depressiva ou apresentasse tendências suicidas: “alguns veículos noticiaram que ela apresentava esse tipo de comportamento. Isso é totalmente falso. Ela jamais se jogaria daquele prédio”, afirmou.

Quando perguntamos se a família acredita que Luis Felipe foi responsável pela sua morte, Marcos disse que a família está aguardando a conclusão das investigações por parte da Polícia, que irão esclarecer definitivamente o que aconteceu. O sentimento unânime entre todos os familiares, porém, é o mesmo: desejo por justiça. “As imagens falam por si só e Deus não deixa que nada fique encoberto. Sabemos que a verdade vai aparecer e, quando isso acontecer, o responsável terá que pagar pelo que fez”, finalizou.

Com a ajuda de alguns amigos, a família agora encabeça a campanha #todosportatiane, cujas páginas no Facebook e Instagram têm por objetivo não deixar que o caso caia no esquecimento. Além disso, os perfis buscam orientar outras mulheres, vítimas de relacionamentos abusivos a não se calarem diante das agressões e denunciarem ao primeiro sinal de violência psicológica ou física.

Página do Facebook: https://www .facebook.com/Todos-por-Tatiane-Spitzner-500909597029091/

Perfil do Instagram: @todosportatiane