Não era o que Santos e Atlético-PR queriam, pois ambos planejavam assumir a liderança isolada do Campeonato Brasileiro. Mas o empate por 1 a 1, nesta quarta-feira à noite, na Vila Belmiro, foi justo e manteve os dois times na primeira colocação, com 52 pontos ? os paulistas têm uma vitória a mais, 16 a 15. O Santos atacou muito mais, mas se ressentiu dos desfalques ? especialmente Deivid e Elano, suspensos, e Robinho, na seleção brasileira. Os visitantes voltam para Curitiba com um ponto, como prêmio por sua aplicação tática.

O time paranaense procurou se movimentar bem, com rápido toque de bola no ataque, mas não conseguiu finalizar. Curiosamente, o Santos teve dificuldades para vencer a marcação do adversário, mas criou chances perigosas no início do jogo. Logo aos 2 minutos, André Luís cobrou com força uma falta na entrada da área e obrigou Diego a fazer boa defesa. Dez minutos depois, Zé Elias arriscou de fora da área, mas a bola passou perto do gol.

O que parecia ser um confronto cheio de alternativas e chances de gols, foi ficando truncado, especialmente porque o esquema tático do Atlético-PR funcionou muito bem. Com três zagueiros e laterais pouco preocupados em atacar, a estratégia era apostar nos contra-ataques puxados pelo veloz Jadson ? o problema é que Washington não tem a mesma habilidade do companheiro de ataque.

O Santos poderia ter aberto o placar ainda no primeiro tempo ? aos 36, Ricardinho lançou Basílio, dentro da área, mas Diego saiu do gol com coragem e evitou a finalização ?, mas poderia ter sido mais objetivo nas finalizações.

Na etapa final, os visitantes aproveitaram a primeira chance para inaugurar o marcador. Jadson cobrou falta na área, Marcão ajeitou e Marinho apareceu de surpresa para tocar de cabeça, sem chance de defesa para Mauro. O time da casa não se abalou e chegou ao empate logo em seguida. Marcinho fez passe preciso para Basílio, que foi mais rápido do que os zagueiros e tocou para as redes.

Novamente, a empolgação inicial foi enganosa. O Santos melhorou seu toque de bola, mas o Atlético-PR não mudou sua proposta de jogo. Passou a prevalecer a forte marcação e as divididas mais duras ? no total, foram sete cartões amarelos.

A única chance clara de gol para o time da casa veio após cobrança de escanteio, quando Luís Augusto tocou de cabeça e Diego fez ótima defesa. No último minuto, William, do Atlético-PR cobrou falta com perigo e assustou Mauro, mas não mudou o resultado. Se o confronto desta quarta-feira foi um desafio para os times, ambos terão compromissos ainda mais difíceis, na próxima rodada, para se manter na ponta: o Santos tem o clássico contra o Palmeiras e os paranaenses recebem o Corinthians, em Curitiba.