As vendas de novas cotas de consórcios somaram 1,39 milhão de unidades entre janeiro e agosto, 7,8% acima do mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados hoje pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). Em agosto, os participantes do sistema somaram 3,93 milhões de pessoas, crescimento de 4,8% em 12 meses.

O presidente executivo da Abac, Paulo Roberto Rossi, atribui o crescimento do setor à expansão da classe média, especialmente a C. Com isso, mais pessoas entraram no mercado de consumo.

Os consórcios de veículos leves (automóveis, utilitários e camionetas) registram crescimento de 25% nas vendas de novas cotas, a maior taxa de crescimento do setor. Foram comercializadas 358 mil cotas no período. O tíquete médio da carta de crédito subiu 8%, para R$ 39,9 mil.

Nas motocicletas, as vendas tiveram desempenho mais modesto, com expansão de 3,2%. Ao todo, foram comercializados 792 mil consócios de motos entre janeiro e agosto, com tíquete médio de R$ 10 mil. Ao todo, 2,06 milhões de pessoas possuem consórcio de moto no momento.

Já nos veículos pesados (caminhões, ônibus e tratores), as vendas de consócios somaram 27 mil unidades, mesmo número dos oito primeiros meses de 2009.

Nos eletrodomésticos e eletroeletrônicos, a venda de consórcios vai na direção oposta aos outros segmentos e registra queda de 4,8% este ano. A razão, segundo o executivo, é a maior concorrência com o financiamento ao consumo e as compras parceladas sem juros no cartão de crédito.

Imóvel cresce 7%

As vendas de consórcios de imóveis cresceram 7% entre janeiro e agosto deste ano na comparação

com igual período do ano passado, segundo dados da Abac. Ao todo, foram comercializados 144,5 mil consórcios de imóveis este ano.

A Abac chama atenção para o crescimento do valor das cotas, que teve aumento de 20%. Com isso, o valor médio da carta de crédito para a compra do imóvel passou para R$ 99,053 mil em agosto deste ano.

O total de pessoas que tem um consórcio de imóvel cresceu 7,3%, para 563,8 mil em agosto, segundo a Abac. Nos oito primeiros meses do ano 43,7 mil pessoas foram contempladas.