O faturamento do segmento atacadista distribuidor de produtos industrializados cresceu 11,72% em julho, revertendo o desempenho ruim registrado em junho, quando teve queda de 10,40%. Em relação ao mesmo mês de 2013, no entanto, houve diminuição de 1,9%, de acordo com pesquisa mensal da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (ABAD), apurada pela Fundação Instituto de Administração (FIA).

No acumulado do ano, o setor anota crescimento de 1,27%, abaixo da expectativa para 2014, que é de expansão de 2,5%. “A crescente desconfiança do consumidor, que está endividado, percebe a inflação corroendo o seu poder de compra e já vê no horizonte a diminuição do crescimento da renda, resultou na redução do ritmo de consumo”, afirma, em nota, o presidente da Abad, José do Egito Frota Lopes Filho.

Com estoques mais altos, principalmente em razão do fraco desempenho em junho, um dos objetivos é continuar motivando o varejista a fazer promoções. “É o momento de rever estratégias e redobrar esforços para atingir as metas. E um dos caminhos é buscar ganhos de produtividade e eficiência”, ressalta José do Egito.

A expectativa de fechar o ano com crescimento de 2,5%, um resultado bem superior à previsão para a economia como um todo, que é de 0,5%, leva em conta também a confiança em um segundo semestre melhor, com menos feriados. Os seis últimos meses do ano são tradicionalmente mais fortes em vendas em razão principalmente do período de Natal, que é considerado um dos melhores para atacado e varejo.

A Abad representa cerca de três mil empresas de todo o Brasil que comercializam produtos alimentícios industrializados, candies, bebidas, produtos de higiene pessoal e de limpeza doméstica, produtos farmacêuticos e de perfumaria, papelaria e material de construção, entre outros.