A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) revisou, nesta terça-feira, 8, a estimativa de produção de motos em 2013 para uma queda de 4,7% ante 2012, de 1,69 milhão para 1,61 milhão de unidades. No começo do ano, a Abraciclo esperava alta de 5%, revisou a projeção para estabilidade e, agora, chegou a essa nova avaliação de recuo na fabricação. “O cenário econômico segue ruim, com a expectativa negativa dos consumidores”, justificou o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, na abertura do Salão das Duas Rodas, que é realizado em São Paulo.

O cenário de estabilidade será revertido para negativo também nas vendas do atacado (fábricas para concessionárias), que devem cair 4% em 2013 sobre 2012, para 1,56 milhão de unidades, e ainda no varejo: a Abraciclo estima uma queda de 6,6% nos emplacamentos em 2013 sobre 2012, para 1,53 milhão de unidades. “São 107 mil motos a menos que em 2012”, disse Fermanian.

O executivo avaliou que, por causa dos lançamentos e de uma possível melhora no cenário para 2014, as empresas devem manter o quadro de funcionários. A Abraciclo divulgou ainda uma avaliação do crédito do setor, que aponta um recuo de 40% para 35% nas vendas financiadas entre os primeiros nove meses de 2012 e 2013, um crescimento de 35% para 37% nas vendas à vista e uma alta de 25% para 28% nos negócios via consórcios entre os mesmos períodos.