Os preços no varejo desaceleraram em agosto com destaque para a influência do grupo alimentação. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou 0,43% neste mês, após registrar alta de 0,69% em julho, no âmbito do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), apurado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Ao todo, sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. No caso de alimentação, a variação foi de 0,89% para 0,61%. Nesta classe de despesa, a FGV destacou o comportamento das frutas (3,69% para -1,24%).

Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: despesas diversas (1,96% para 0,13%), transportes (0,29% para 0,01%), habitação (0,86% para 0,72%), vestuário (0,43% para -0,16%), comunicação (0,49% para 0,17%) e saúde e cuidados pessoais (0,62% para 0,58%).

Dentro dessas classes de despesa, foram destaques: jogo lotérico (12,66% para zero), automóvel novo (0,50% para -0,08%), taxa de água e esgoto residencial (3,53% para 0,61%), roupas (0,44% para -0,22%), tarifa de telefone móvel (0,61% para 0,19%) e salão de beleza (0,57% para 0,11%), respectivamente.

Em contrapartida, apenas o grupo educação, leitura e recreação (0,23% para 0,24%) apresentou acréscimo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, a fundação destaca o comportamento do item excursão e tour, cuja taxa passou de -0,10% para 1,74%.

Construção

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em agosto, taxa de variação de 0,77%, ante 1,21%, no mês anterior, segundo a FGV. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,27%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,19%. Já o índice que representa o custo da mão de obra registrou variação de 1,22%. No mês anterior, variou 2,12%.