O grupo Alimentação foi o que mais contribuiu para a desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S), divulgado nesta segunda-feira, 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador recuou de 0,48% na primeira quadrissemana de junho para 0,43% na segunda quadrissemana.

No período, os itens com as maiores influências negativas foram gasolina (de -0,62% para -0,69%), etanol (de -1,08% para -1,92%), cenoura (de 2,01% para -11,52%), laranja-pêra (de -8,88% para -10,32%) e cebola (de -7,13% para -7,27%).

Já os cinco itens com as maiores influências positivas foram mamão papaia (de 30,83% para 28,77%), aluguel residencial (de 0,89% para 0,87%), refeições em bares e restaurantes (de 0,64% para 0,50%) e leite tipo longa vida (de 3,68% para 3,58%), apesar de terem registrado desaceleração, além de tarifa de ônibus urbano (de -0,13% para 1,12%).

A FGV também destacou o comportamento dos itens hortaliças e legumes (-0,78% para -3,01%), dentro do grupo Alimentação, roupas (de 1,23% para 0,82%), no grupo Vestuário, medicamentos em geral (de 0,54% para 0,33%), no grupo Saúde e Cuidados Pessoais, show musical (de 1,23% para -0,83%), no grupo Educação, Leitura e Recreação, e pacotes de telefonia fixa e internet (de 1,03% para 0,39%), no grupo Comunicação.