O ritmo de alta de preços no atacado desacelerou em agosto na comparação com julho, movimento puxado por bens finais como alimentos in natura. O resultado foi que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) passou de 0,70% em julho para 0,23% neste mês, no âmbito do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), apurado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Os bens finais registraram variação negativa de 0,58%, em agosto, ante alta de 0,60%, em julho. O subgrupo alimentos in natura, principal responsável pelo movimento, teve variação de 1,94%, no mês passado, enquanto houve oscilação negativa de 6,35% em agosto.

As matérias-primas brutas, que variaram 1,31% em julho, tiveram uma alta mais contida neste mês, de 0,66%. Contribuíram para a desaceleração do grupo os itens: minério de ferro (5,20% para -2,27%), bovinos (-0,73% para -2,74%) e aves (6,89% para 1,99%). Em sentido inverso, destacaram-se os itens: soja (em grão) (3,03% para 6,79%), milho (em grão) (-0,26% para 5,07%) e mandioca (aipim) (-3,11% para 0,74%).

Nos bens intermediários (0,32% para 0,70%), quatro dos cinco subgrupos apresentaram aceleração, com destaque para materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de 0,27% para 0,80%. O índice de Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, registrou variação de 0,72%. No mês anterior, este índice registrou variação de 0,31%

O IGP-10 desacelerou neste mês a uma alta de 0,34%, informou a FGV. No mês passado, o aumento foi maior, de 0,75%. O índice de agosto retrata a movimentação de preços entre os dias 11 de julho e 10 de agosto.