O economista da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Marcelo de Ávila, avaliou que, embora a atividade do setor tenha caído no terceiro trimestre deste ano, o aumento do faturamento no período é um bom sinal para os próximos meses

“O faturamento teve fraco crescimento no trimestre, mas é uma boa notícia, considerando-se os demais indicadores”, afirmou. “O faturamento vem mostrando crescimento ao longo do tempo e tem o efeito carregamento mais positivo. Caso o faturamento não cresça no último trimestre, a indústria já garantiu uma taxa positiva de 3,7% este ano”, acrescentou.

Ao comentar os resultados dos indicadores industriais de setembro, Ávila citou que a queda de 1,5% nas horas trabalhadas no terceiro trimestre mostra que a produção industrial ainda tem dificuldades em se recuperar. Da mesma forma, a utilização da capacidade instalada caiu 0,4 ponto porcentual no trimestre, chegando ao segundo trimestre consecutivo de baixa.

Emprego

O emprego no setor, por outro lado, continua em expansão, bem como o rendimento dos trabalhadores industriais. “É importante manter um mercado de trabalho dinâmico, ainda que em um momento de baixa atividade industrial. É importante esse quadro de não demissão, de manutenção dos funcionários”, afirmou Ávila.

O gerente executivo de pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, avaliou que a disputa pelo trabalhador faz com que a indústria também aumente salários e benefícios, apesar da baixa atividade no setor. “Temos uma economia aquecida, mas uma indústria desaquecida, praticamente estagnada. Como indústria tem mais dificuldade em obter mão de obra qualificada, os empresários têm evitado demitir”, explicou.