São Paulo – O País bateu recordes sucessivos de demanda de energia nos últimos dois dias, de acordo com informações do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Segundo técnicos que acompanham a operação do sistema elétrico interligado nacional, os recordes podem ser atribuídos mais às altas temperaturas e ao clima seco dos últimos dias do que propriamente a uma recuperação da atividade econômica.

Na segunda-feira, conforme relatórios do ONS, a demanda no sistema interligado atingiu a marca de 56.294 megawatts (MW), 1,7% acima do recorde anterior, de 56.196 MW, registrado em 24 de abril de 2001. Anteontem, a marca foi superada, com demanda de 56.427 MW no horário de ponta do consumo.

Os recentes picos de consumo, ao contrário do que já ocorreu em outras épocas, estão longe de colocar em risco o suprimento de energia, ressaltam os técnicos. Segundo um especialista, o País dispõe atualmente de mais de 80 mil MW de capacidade instalada de geração – o que proporciona uma folga considerável em relação às demandas máximas registradas. “Mesmo com a exportação de energia para a Argentina e com a indisponibilidade de algumas termoelétricas na região Nordeste, a folga entre a oferta e a demanda ainda é bastante grande”, assegura o técnico.

O técnico descarta uma influência mais consistente de um eventual crescimento da atividade econômica no País nos picos de demanda. Dados do ONS apontam que na região Sudeste, responsável por 60% a 70% da produção nacional, houve uma frustração da expectativa de consumo em março, com um volume 2,56% inferior ao previsto pelas companhias de energia.

Em contraponto, o ONS tem registrado um crescimento significativo no nível de consumo na região Sul, atribuído a fatores climáticos, mas com a influência também de uma elevação da atividade econômica. Segundo o levantamento do órgão, também foram batidos sucessivos recordes de consumo no Sul nos últimos dois dias: na segunda-feira, a região foi responsável por uma demanda máxima de 10.794 MW, superando os 10.540 MW registrados no último dia 25. Ontem, a demanda máxima atingiu a marca de 10.934 MW.