Foto: Arquivo

Praias vão ficar lotadas neste Carnaval.

A crise aérea que se instalou recentemente no País está fazendo com que muitos brasileiros pensem bem antes de comprar um pacote de viagens. Depois dos vôos atrasados e cancelados nos últimos feriados, o Carnaval servirá como uma ?prova de fogo? para companhias aéreas e aeroportos. Em Curitiba, muitos estão optando por cruzeiros, viagem para o litoral catarinense ou mesmo hotéis-fazenda próximos para passar os quatro dias de folia.

No Paraná, a procura por pacotes aéreos caiu cerca de 20% em relação ao Carnaval passado, segundo o diretor administrativo da Associação Brasileira de Agências de Viagens no Paraná (Abav-PR), José Roberto Ghisi. ?É um prejuízo que não se recupera mais?, lamentou. Segundo ele, muitos vão trocar o tradicional carnaval no Nordeste pelas praias catarinenses. ?Há muita gente que vai viajar de carro para o sul. Na minha agência (Canadian Turismo), por exemplo, pacotes para Balneário Camboriú e Florianópolis não tinham muita procura, mas isso está mudando?, afirmou, acrescentando que a demanda por tais pacotes tiveram crescimento de 10% a 15%. ?É uma substituição. Essas pessoas têm condições financeiras de viajar para o Nordeste, mas estão preferindo viajar de carro para Santa Catarina?, comentou.

Para Ghisi, o maior problema hoje é o temor. ?As pessoas têm medo de ficar horas no aeroporto. Também há o medo da violência no Rio de Janeiro?, comentou, referindo-se a outro destino muito procurado nesta época do ano. Para quem assim mesmo quer se arriscar, Ghisi afirma que ainda há pacotes disponíveis, porém com preços mais elevados.

Pós-Carnaval

Para a diretora da GR Turismo, Íria Rocha, o desaquecimento de vendas no período pré-Carnaval está sendo compensado pelo período pós. ?O Carnaval no ano passado foi bem melhor. O lado positivo é que está havendo grande procura por pacotes pós-Carnaval, com destino como Estados Unidos e Europa. As pessoas estão aproveitando o dólar baixo?, comentou.

Também para ela, o temor tem afastado os turistas. ?Muita gente deixou para comprar o pacote de Carnaval em cima da hora, porque ficou com medo de viajar de avião. O problema é que as operadoras e companhias não têm mais lugar disponível?, afirmou. Em sua agência, o Nordeste lidera a preferência para o Carnaval, seguido por Buenos Aires e Punta del Leste.

Quem acabou se beneficiando com a crise nos aeroportos foi o segmento de cruzeiros marítimos. Segundo Íria Rocha, muitos preferiram trocar os arriscados pacotes aéreos pelo conforto de um navio. ?Os navios estão lotados e tirando o movimento dos resorts brasileiros?, comentou, acrescentando que um pacote em cabine em alto-mar pode sair mais em conta do que um aéreo. ?Um pacote no maior navio brasileiro custa a partir de US$ 1.130,00 (menos de R$ 2,5 mil) para sete noites durante o Carnaval, de Santos a Salvador. Um pacote para um hotel quatro estrelas em Salvador, também no Carnaval, custa cerca de R$ 3,5 mil?, comparou. As vagas para este cruzeiro, porém, estão todas esgotadas.

Pousadas e hotéis-fazenda da região metropolitana comemoram

Outro segmento que vem se beneficiando com a crise aérea é o de pousadas e hotéis-fazenda. Segundo a consultora de turismo rural Wilma Alencar, praticamente todos os estabelecimentos instalados ao redor de Curitiba estão lotados para o Carnaval. ?Se não fosse o problema nos aeroportos, a ocupação não estaria tão alta. Haveria sim uma ?guerra de tarifas?, na tentativa de atrair mais hóspedes?, comentou.

Segundo a consultora, alguns hotéis e pousadas próximos a Curitiba estão com as vagas esgotadas para o Carnaval desde dezembro. Uma das exceções é o La Dolce Vita, localizado a quase 40 quilômetros da capital, cujo pacote de quatro dias sai por R$ 2.260,00 o casal. ?No caso do La Dolce Vita, a questão é o custo. A procura maior é por pacotes de até R$ 1.250,00 o casal?, comentou.

Para atrair os foliões de última hora, muitos hotéis e pousadas decidiram reduzir o preço do pacote ou aceitar reservas para período inferior de quatro diárias. ?A Dona Francisca, por exemplo, em Joinville (SC), reduziu o pacote de R$ 1,5 mil para R$ 1,1 mil?, comentou. Outro fenômeno observado este ano foi a grande procura de grupos evangélicos. Estabelecimentos como a pousada Pôr-do-Sol, em Campina Grande do Sul, e o hotel Stivelman, em São José dos Pinhais, estão entre os que optaram em fechar para eventos evangélicos.

Para aqueles que ainda vão buscar reservas para o Carnaval, Wilma adianta que as opções que restam ficam a pelo menos 200 quilômetros da capital. ?Como todo mundo deve viajar de carro, já se espera que o tráfego ficará bem pesado, principalmente nas rodovias mais movimentadas. Por isso, tem muita gente que quer evitar pegar a BR-101 (que liga Curitiba a Santa Catarina), por exemplo?. Também para evitar o tráfego, muitos estão optando em viajar no sábado de manhã e voltar na Quarta-Feira de Cinzas, também pela manhã.