Brasília ? Os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Fat) – R$ 2 bilhões – que irão reforçar as linhas de crédito à exportação do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) começam a ser liberados na próxima semana. Na segunda-feira (19), a diretoria do BNDES vai se reunir, no Rio de Janeiro, para discutir as regras de operacionalização das linhas de financiamento para pré-embarque. A afirmação é do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, durante entrevista à Rádio Nacional.

Segundo ele, o novo aporte de recursos poderá ser emprestado a juros inferiores aos praticados no mercado. “Como são recursos que não são afetados pelo risco-Brasil e pela incerteza que os bancos hoje têm, o custo será muito mais baixo do que aqueles que a rede bancária vinha praticando com suas próprias linhas”, disse.

O Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior trabalha com a possibilidade de flexibilizar as restrições aplicadas aos tomadores do empréstimo. “Não funcionará com as mesmas restrições que havia antes. Haverá uma destinação mais ampla para um número de setores mais amplos, ainda que a prioridade continue sendo a pequena e média empresa “, afirmou o ministro.

Amaral disse ainda que, nas próximas semanas, os recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) ? US$ 1 bilhão – somados aos recursos que serão definidos pelo Banco Central, vão dar mais fôlego para o País manter o ritmo de crescimento das exportações brasileiras até o fim do ano. Para o ministro, o novo aporte poderá levar o Brasil a registrar um saldo positivo na balança comercial brasileira superior a US$ 7 bilhões. “Nós não queremos que essa perspectiva muito favorável seja atingida ou prejudicada por falta de recursos de financiamento”, afirmou. Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), apontam que o Brasil exportou até agora US$ 33,129 bilhões e importou US$ 28,689 bilhões, acumulando um superávit comercial de US$ 4,44 bilhões.