A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) promove nesta sexta-feira, 3, o primeiro Leilão de Energia de Reserva de 2015, no qual pretende contratar energia a ser gerada por térmicas abastecidas com gás natural. O valor máximo estabelecido pela agência reguladora foi de R$ 581 o MWh. Os contratos serão na modalidade disponibilidade e o suprimento, por 20 anos, deve ter início em 1º de janeiro de 2016.

Apesar do preço elevado, não é esperado um grande número de empresas participantes no leilão. Tudo porque o prazo para início de fornecimento é curto. “Este leilão é extremamente desafiador. São tantos desafios que o preço acaba não sendo alto”, analisa a diretora da consultoria Thymos, Thais Prandini. Ainda assim, a especialista acredita que ao menos uma empresa deve oferecer energia, do contrário o governo federal teria cancelado o certame.

Como os empreendimentos participantes devem ter capacidade instalada mínima de 130 MW, é possível que os projetos sejam formados por um conjunto de unidades geradoras. No caso, de motores.

A particularidade tem explicação: quando o governo propôs a realização de um leilão de energia de reserva com térmicas a gás e restrito ao submercado Sudeste/Centro-Oeste, havia grande preocupação sobre o abastecimento de energia no horário de pico de consumo na região Sudeste. Dessa forma, além de garantir maior oferta de energia nos principais centros de consumo durante o início da tarde, o governo também evitaria possíveis limitações no sistema de transmissão que interliga os submercados Sul, Nordeste e Norte à região Sudeste/Centro-Oeste.

A situação preocupante do início do ano foi abrandada, e com isso a importância do leilão de amanhã diminuiu. “O leilão foi planejado às pressas, em um momento de urgência. Apesar disso, a ideia de realizar um leilão regional, ou apenas de térmicas, é muito boa”, comenta Thais.

Este será o 9º Leilão para Contratação de Energia de Reserva promovido pela Aneel e é denominado 3º Leilão de Energia de Reserva de 2015. Apesar do nome, esta será a primeira vez que a agência reguladora testará o apetite do mercado para leilões de energia reserva neste ano.

A última licitação do gênero ocorreu em outubro passado e movimentou R$ 7,1 bilhões, a partir da venda de energia a ser gerada em 31 novas usinas eólicas e 31 empreendimentos de energia solar. Os leilões de números 1 e 2 de 2015 estão previstos para os dias 28 de agosto e 13 de novembro, respectivamente.

Na oportunidade, a Aneel almejava a contratação de energia solar, eólica ou gerada em unidades abastecidas com biomassa composta por resíduos sólidos ou biogás de aterro sanitário, mas obteve êxito apenas nas duas primeiras fontes.

O preço da energia negociada nove meses atrás, contudo, era bastante diferente do atual. O leilão foi encerrado com o preço médio de venda em R$ 169,82/MWh, com deságio de 9,9% em relação aos valores estabelecidos pela Aneel. O preço da energia eólica, estimado inicialmente em R$ 144/MWh, caiu para R$ 142,34/MWh no leilão. No caso da energia solar, o valor máximo de R$ 262/MWh caiu para R$ 215,12/MWh. A diferença de valores confirma o caráter de emergência deste novo leilão, quando de seu anúncio, em abril passado.

O certame será realizado na sede da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica e poderá ser acompanhado pela página eletrônica da CCEE.