O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider, não considera que o aumento da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) anunciado na semana passada pelo governo, tenha efeito negativo sobre o setor automotivo. Ele reiterou nesta segunda-feira (7) as projeções de crescimento de 17,5% para as vendas de veículos no mercado interno, fazendo apenas um pequeno ajuste no número de unidades em cima dos números fechados do ano passado.

A previsão inicial para 2008 era de vendas de 2,88 milhões de veículos e foi elevada para 2,895 milhões. A variação porcentual não foi alterada. A projeção para a produção foi mantida em 8,9% para um total de 3,24 milhões de unidades. "Não estamos prevendo nenhum efeito negativo do IOF sobre o mercado", reforçou.

O presidente da Anfavea ressaltou ainda que as montadoras vêm anunciando investimentos para aumentar a capacidade desde o final de 2007, muitos dos quais já terão efeito neste ano. O executivo não descartou, porém, que as empresas continuarão importando para aumentar a oferta e atender a demanda nacional. A projeção da entidade é de que as importações cresçam 43,6% em 2008, para 385 mil unidades.

Segundo Schneider, a Anfavea iniciará em março um estudo para medir o aumento de capacidade que está acontecendo no setor. A conclusão deve ser divulgada em até 30 dias após seu início. "Faremos um novo exercício para projetar a nova capacidade que está acontecendo, seja por ajustes ou a que virá no médio prazo" concluiu durante entrevista coletiva à imprensa.