Apesar da divisão do processo de licitação do trem-bala em duas etapas, o projeto inicial não será desfigurado, afirmou hoje o diretor geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). “Não vamos descaracterizar o projeto para atender interesses. Os estudos econômicos não mudam e a tarifa prevista não muda”, afirmou.

Diante da não apresentação de propostas hoje para o leilão do trem-bala que ligará Campinas a São Paulo e Rio de Janeiro, o governo decidiu dividir a licitação em duas etapas. Segundo ele, a primeira etapa da licitação, que irá definir a tecnologia e a operação do Trem de Alta Velocidade (TAV) será realizada ainda este ano, com leilão no início de 2012. Já a segunda fase, que definirá o consórcio que tocará as obras de infraestrutura será realizada somente no fim do ano que vem.

Pelo novo modelo, as construtoras não serão mais sócias da operação dos trens. “Tínhamos cinco ou seis tecnologias interessadas que não tinham interlocução na construção civil. A mudança na licitação vai aumentar a atratividade do projeto para os detentores de tecnologia, porque estamos retirando risco das obras. E duvido que não existam no mundo empreiteiras interessadas nas obras”, disse Figueiredo.

Segundo ele, não haverá aumento da participação do governo no projeto. A primeira fase deverá envolver valores iniciais de R$ 9 bilhões, enquanto a segunda fase deve girar em torno de R$ 24 bilhões.