A inflação de junho medida pelo Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 0,63% após recuar 0,09% em maio, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta sexta-feira, 14. O resultado ficou acima do teto das projeções dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam uma taxa de 0,36% a 0,57%, com mediana de 0,47%.

No caso dos três indicadores que compõem o IGP-10 de junho, o IPA-10 teve alta de 0,43% este mês, após cair 0,39% em maio. O IPC-10 apresentou avanço de 0,39% em junho, taxa igual à do mês passado. Já o INCC-10 registrou taxa positiva de 2,48% em junho, ante aumento de 0,79% em maio.

Até junho, o indicador acumula alta de 1,66% no ano e de 6,17% em 12 meses. O período de coleta de preços para o IGP-10 deste mês foi do dia 11 de maio a 10 de junho.

Agropecuária

A inflação agropecuária no atacado acelerou em junho. Os preços dos produtos agrícolas atacadistas subiram 0,57% neste mês, enquanto em maio o setor apresentou deflação de 2,80%, no âmbito do IGP-10.

A instituição informou ainda que os preços dos produtos industriais no atacado continuaram subindo, porém em menor ritmo. Tiveram alta de 0,38% este mês, desaceleração comparada à de 0,55% de maio.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais subiram 0,17% em junho. Em maio foi verificada alta de 0,22%.

Os preços dos bens intermediários subiram 0,50% em junho após caírem 0,13% em maio. Já os preços das matérias primas brutas apresentaram taxa positiva de 0,67% em junho, após recuarem 1,44% em maio.