Em tempos de verão, o uso de aparelhos ou sistemas de ar-condicionados é uma benção para quem não gosta de aturar temperaturas típicas da estação mais quente do ano.

Todavia, assim como qualquer outra máquina, esses aparelhos precisam de uma manutenção constante para que não venham a causar problemas. De acordo com o engenheiro mecânico e ex-conselheiro do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Paraná (Crea-PR), José Carlos Wescher, a manutenção correta do ar-condicionado é garantia para uma maior vida útil do equipamento.

“Uma manutenção correta, que pode ser realizada entre duas ou três vezes por ano, vai fazer com que o aparelho dure muito mais se comparado com outro que não faz essa vistoria. Como o aparelho não é dos mais baratos, sem o cuidado certo o consumidor pode perder o investimento rapidamente”, afirma.

Wescher chama a atenção também sobre a importância da limpeza, pois, caso contrário, o ar-condicionado pode ser um viveiro de microorganismos que causam danos à saúde.

“Por conta da umidade, junta muito fungo e bactéria. A limpeza vai evitar justamente esse acúmulo de microorganismos que vão causar doenças. Essa preocupação com a manutenção e limpeza do ar-condicionado deve ser constante”, alerta.

No caso de lugares com grande concentração de pessoas, como, por exemplo, shopping centers, bancos, órgãos públicos, entre outros, o cuidado deve ser ainda maior.

“A legislação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) obriga que esses locais tenham um Plano de Manutenção, Operação e Controle (Pmoc) assinado por um engenheiro mecânico. Exige-se também uma manutenção preventiva e análise da qualidade do ar de seis em seis meses, que não pode ser realizada pela mesma empresa que faz a manutenção dos aparelhos”, informa Wescher.

Nesse processo para medir a qualidade do ar, o engenheiro revela quais são os testes. “Serão verificados os níveis adequados de qualidade do ar interior para controle da temperatura, umidade, velocidade, material particulado, partículas biológicas e teor de dióxido de carbono (CO2)”, diz.

Na hora de escolher uma empresa ou profissional que realiza esse tipo de serviço, Wescher garante que é fundamental que os clientes procurem junto ao Crea-PR para saber se os contratados possuem registro junto ao conselho.

“Fazendo isso, as pessoas estarão requisitando os serviços de uma empresa ou profissional que possuem condições técnicas de realiza-lo”, comenta. Quando tiver dúvidas sobre o registro ou habilitação de um profissional, basta acessar o site www.crea-pr.org.br e clicar no menu Consulta Pública ou se informar pelo telefone 0800410067.

Dúvidas ou sugestões para esta coluna podem ser enviadas para o e-mail consumidor@oestadodoparana.com.br.