Bonecas, triciclos e outros brinquedos fabricados no Brasil são o novo alvo da fúria protecionista do governo da presidente Cristina Kirchner, que desde meados do ano passado desatou uma onda de medidas para restringir a entrada de produtos brasileiros, protagonistas – segundo as autoridades em Buenos Aires – de “invasões” no mercado argentino. Ontem, o governo Kirchner publicou no Diário Oficial as restrições à entrada de brinquedos brasileiros. A medida cai como um balde de água fria nos importadores, que se preparavam para as vendas de Natal.

Segundo a resolução 894/2009, a Secretaria de Comércio Interior suspendeu duas disposições sobre requisitos de segurança em brinquedos. As disposições suspensas simplificavam a validação da entrada de brinquedos brasileiros, já que aceitavam os certificados de segurança desses produtos provenientes do Brasil.

Com a medida, esses produtos passarão por um novo crivo alfandegário que tenderia a provocar nova queda nas já abaladas exportações de brinquedos brasileiros ao mercado argentino, que enfrentam dura concorrência de similares chineses. A participação brasileira no mercado argentino de brinquedos é de 2,2%. A participação chinesa é de 79,1%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.