Mesmo com os produtores desanimados devido aos baixos preços, a estimativa para a próxima safra de trigo aumentou, no Paraná. Foi o que informaram, ontem, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que divulgaram simultaneamente seus levantamentos mensais sobre a safra nacional de grãos.

De acordo com a pesquisa do IBGE, no último mês houve aumento de área plantada de trigo no Estado, o que deve aumentar a produção em 3,4%, na comparação com a análise do mês anterior.

Os dois levantamentos apontam, agora, que a produção de trigo paranaense (que responde por mais da metade da produção nacional) deve passar de 3 milhões de toneladas, aumentando em cerca de 500 mil toneladas o resultado da safra anterior.

A quantidade só poderá ser alcançada porque a produtividade deve ser melhor este ano: enquanto a área plantada diminuiu cerca de 12% em relação ao ano passado, os produtores conseguirão colher mais grãos por hectare. As estimativas indicam que serão colhidos 2,68 mil quilos de trigo por hectare, contra menos de 2 mil na última safra -um avanço de cerca de 40%.

Mas a alta produtividade, resultado principalmente de um clima mais favorável neste inverno, também preocupa. Isso porque ainda existe produtos de safras anteriores a serem comercializados.

Apesar dos preços baixos, os produtores simplesmente não vêm encontrando compradores. Os preços médios da saca de 60 quilos, na Região Sul, estão a R$ 24,46. No Paraná, a mesma quantidade era comercializada ontem, segundo a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab), a R$ 22,64.

O secretário da Agricultura e do Abastecimento, Erikson Camargo Chandoha, considera boa a produção esperada de trigo, mas admite que o mercado não está animador para o produtor.

Ele lembra que, além de haver estoque da safra passada armazenado, o Ministério da Agricultura agravou a situação ao reduzir em 10% o preço mínimo do produto, prejudicando ainda mais a comercialização.

Milho

O clima favorável também melhorou em 1%, em relação à previsão anterior, a estimativa da produção de milho da segunda safra, no Paraná. A previsão, agora, é de uma produção de 5,9 milhões de toneladas, 32% maior que a safra passada.

Se considerada também a primeira safra, a produção do Estado – a maior do País – deve chegar a 12,83 milhões de toneladas, 14,7% superior à do período 2008/2009.

Produtividade

No total, a Conab prevê que a safra 2009/2010 se encerre, no Paraná, com produção de 30,7 milhões de toneladas de grãos -23% maior que a safra anterior. A previsão do IBGE é ainda maior: 31,4 milhões de toneladas.

A exemplo do que está acontecendo com o trigo – nesse caso, já é considerada a safra 2010/2011 -, o clima é o principal responsável pelo aumento. Enquanto a área plantada foi reduzida em 0,7%, a produtividade deve aumentar em 23,9%.

A safra prevista para o País é de 146,7 milhões de toneladas para a Conab (8,6% maior que no período anterior), e 146 milhões para o IBGE. Ambos os órgãos continuam apontando o Paraná como o principal produtor nacional de grãos.