Este ano, jeito vai ser apelar
para o coelho no crediário.

A crise econômica está obrigando o varejo brasileiro a encontrar soluções criativas para desovar os estoques de Páscoa, comemorada no dia 11. Entre as estratégias utilizadas pelos lojistas está o parcelamento das compras de produtos típicos para a data, como bacalhau e ovos de Páscoa.

É o caso por exemplo da Lojas Americanas, que está parcelando em até dez vezes a compra de ovos de Páscoa, coelhos de chocolate, colombas, caixas de bombom, tabletes, bichos de pelúcias, cestas variadas, entre outros produtos.

A promoção – que acaba no próximo domingo – é válida apenas para as compras pagas com cartão de crédito. O valor mínimo na parcela é de R$ 10, ou seja, para parcelar em dez vezes, o consumidor terá de fazer uma compra mínima de R$ 100.

Promoções

Mesmo sem aderir ao parcelamento, outras redes varejistas também oferecem facilidades para o consumidor comprar produtos típicos para a Páscoa.

O Carrefour, por exemplo, permite que o consumidor pague as compras de produtos alimentícios – incluindo bacalhau e ovos de Páscoa – com o cartão de crédito de marca própria da rede.

Já a rede Wal-Mart está investindo na venda de ovos de Páscoa de marca própria, que chegam a custar 20% menos que os ovos de marcas conhecidas. Esse é o caso do ovo Baby de 80 g, que custa R$ 2,98 e o ovo Great Value de 200 g, vendido por R$ 5,95.

A rede hipermercadista Extra lançou anteontem a promoção de R$ 0,01. Pelas regras da promoção, na compra de determinados itens, o consumidor leva outro produto pagando apenas R$ 0,01 a mais.

O diretor da rede Extra, Luiz Carlos Costa, disse que espera um aumento de 15% nas vendas de abril da rede em relação ao mesmo mês de 2003. “O Abril Extra é a nossa principal promoção do primeiro semestre”, disse.

Conjuntura

As promoções do varejo acompanham a redução da renda e a elevação do desemprego, que reduzem a renda disponível para o consumo.

Levantamento da Abras (Associação Brasileira de Supermercados) mostrou que a redução da renda disponível reduziu em 2,12% as vendas do setor supermercadista no primeiro bimestre em relação ao mesmo período do ano passado.

Só em fevereiro, o recuo foi de 3,1% em relação a janeiro. Na comparação com fevereiro de 2003, a queda foi de 1,98%.