As demonstrações econômico-financeiras da Copel relativas ao exercício de 2003 estão entre os 10 melhores e mais completos balanços publicados por empresas brasileiras de capital aberto. Por conta disso, a Companhia irá receber no próximo mês, em São Paulo, o 8.º Prêmio Transparência, uma iniciativa de entidades vinculadas ao mercado de capitais que tem por objetivo incentivar a clareza e a precisão das informações oferecidas pelas empresas aos analistas e investidores.

A indicação não surpreendeu o diretor de Finanças e de Relações com Investidores da Copel, Ronald Ravedutti. Para ele, “o prêmio é decorrência de uma filosofia de governo e de uma postura empresarial que convergem para a absoluta transparência em todos os atos, princípio que orienta a administração do governador Roberto Requião e, por sua determinação, a da Copel”.

Uma prática adotada pela empresa nas suas demonstrações de 2003 e que repercutiu muito bem entre os especialistas foi produzir um documento fácil de ser entendido. “A nossa idéia foi fazer um balanço o mais limpo possível, privilegiando sua objetividade e a simplicidade”, argumentou o diretor.

Entre as 10 empresas cujas demonstrações foram selecionadas para integrar o grupo de finalistas, uma será apontada como a autora do Balanço do Ano e o contador responsável agraciado com o título de Contador do Ano.

A seleção para o Prêmio Transparência é feita por equipes de especialistas em análise e auditagem de balanços, que apreciam e conferem notas a cerca de 2 mil demonstrações contábeis publicadas por empresas brasileiras. Os principais parâmetros são a fidelidade, correção, detalhamento e profundidade das informações oferecidas ao mercado.

A promoção é da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) e da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras da Universidade de São Paulo (Fipecafi), com o apoio da Serasa, empresa que atua na área de negócios com foco em análises e informações econômicas, financeiras e cadastrais.