Após reunião do conselho de política monetária nesta quarta-feira, o Banco da Coreia (BoK, na sigla em inglês), o banco central sul-coreano, decidiu manter a taxa básica de juros da economia do país em 1,75%, na mínima histórica. A decisão ocorre um mês depois de a instituição financeira ter reduzido a taxa em 0,25 ponto porcentual.

O mercado não se surpreendeu. Dos 23 analistas consultados pela Dow Jones Newswires, 22 apostaram na manutenção da política monetária.

Atualmente, o BoK mantém uma linha mais acomodatícia, porém tem demonstrado preocupação com a redução dos custos de financiamento e o aumento do já elevado nível de endividamento das famílias. Novos cortes de juros poderiam deixar a Coreia do Sul mais exposta a uma fuga de capital caso os Estados Unidos voltem a elevar suas taxas.

Por outro lado, a economia do país cresce a um ritmo abaixo do esperado, uma vez que as exportações, que representam aproximadamente metade do crescimento econômico, tem perdido força e a demanda doméstica permanece enfraquecida, apesar dos estímulos adotados.

Em março deste ano, as exportações caíram 4,2% em relação a igual mês do ano passado, a maior queda em dois anos. Na mesma comparação, os preços ao consumidor subiram apenas 0,4%, o ritmo mais lento em seis anos, quando o país foi atingido pela crise financeira global.

Espera-se que o banco central reduza mais uma vez suas previsões para crescimento econômico e inflação ao consumidor em 2015. Em janeiro, as projeções foram cortadas para expansão de 3,4% do Produto Interno Bruto e alta de 1,9% dos preços. Em 2014, a economia da Coreia do Sul cresceu 3,3%. Fonte: Dow Jones Newswires.