Os bancos que disputam a operação do HSBC no Brasil entregarão suas propostas na segunda-feira. De acordo com o jornal Valor Econômico, esse é o prazo dado pelo responsável pela venda, o banco de investimentos Goldman Sachs.

Oficialmente, apenas os três maiores bancos privados do país estão na briga: Itaú, Bradesco e Santander. No início da semana, o Bancolombia, maior instituição da Colômbia, também teria demonstrado interesse pelo HSBC. O valor estimado pra venda está entre R$ 10 bilhões e R$ 14 bilhões.

Se for confirmada a compra por uma grande instituição brasileira, o processo passará por um escrutínio das autoridades. A vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves, tem mantido conversas nas últimas semanas em Brasília pra minimizar os impactos negativos do negócio. Atualmente, a estrutura administrativa do banco na capital paranaense emprega cerca de 7 mil pessoas, número que pode encolher drasticamente com a transferência dessas áreas pra outra cidade.

Na última terça-feira, Mirian conversou com o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinicius Marques de Carvalho, que se comprometeu a “investigar” a venda do banco.

A negociação foi iniciada em maio, quando o HSBC comunicou a seus funcionários que venderia as unidades do Brasil e da Turquia.