O diretor de Regulação do Banco Central, Otávio Damaso, afirmou que nesta sexta-feira, 14, que a instituição continua esperando uma expansão do crédito imobiliário, inclusive com maior participação das operações com taxas livres, ou seja, juros estabelecidos pelo mercado. As declarações foram dadas durante o X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Ele lembrou que o Brasil passou quase duas décadas com o crédito imobiliário estagnado, o que mudou no final dos anos 1990, graças a uma série de reformas legais e regulatórias, além da estabilização macroeconômica. Isso permitiu que o crédito imobiliário saísse do patamar de 2%, 3% do PIB para o nível atual de quase 10%.

“Temos uma perspectiva de continuidade dessa expansão, com maior participação de operações a taxas livres. O papel do supervisor é sempre o de assegurar que esse processo se dê com máxima sustentabilidade, tanto financeira como na relação com os mutuários”, comentou.