Divulgação/Fiep
Luciano Coutinho: desempenho do Paraná é melhor do que o nacional.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, cobrou investimentos do setor privado para ampliar ações de inovação no Brasil, nesta sexta-feira (1º), em Curitiba.

Coutinho disse ainda que espera que os investimentos no setor ganhem força ao longo deste ano. “Os investimentos em inovação são considerados escassos ainda no Brasil. Em 2010, o total desembolsado pelo BNDES para a inovação foi R$ 1,4 bilhão em projetos diretos. Queremos, em 2011, um avanço muito forte no setor. Gostaríamos de ultrapassar os R$ 2 bilhões”, afirmou.

Na análise do Paraná, o presidente do BNDES acredita que o desempenho é melhor do que o verificado nacionalmente. “A inovação no Brasil sempre foi retardatária e frágil, influenciada pela alta instabilidade cambial e inflacionária. O Paraná tem uma indústria razoavelmente diversificada, com complexo automotivo, mecânica e processamento de alimentos e bebidas, além do agronegócio, nos quais esse tipo de processo de desenvolvimento das grandes empresas é essencial, avalia.

No Estado, Coutinho deu início, nesta manhã, a uma série de encontros com empresários do País, sobre as estratégias de investimento em inovação que devem ser implementadas pelo governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Com o fim da moratória de três meses decretada pelo governo estadual, nos próximos dias cada secretaria de Estado deve entregar ao governador Beto Richa (PSDB) o que pretende pleitear de recursos junto ao BNDES, de acordo com informações do secretário da Indústria e Comércio, Ricardo Barros.

Pequenas e médio empresas

O aumento das facilidades de acesso a créditos do BNDES pelas pequenas e médio empresas e a prioridade dada ao setor foram destacados pelo presidente da instituição, Luciano Coutinho, em Curitiba, nesta sexta-feira (1º).

De acordo com ele, a capacidade de resposta das pequenas e também das médio empresas tem sido positiva. “Temos conseguido melhorar o acesso ao BNDES para as micro e pequenas empresas. No Paraná, em 2010, esse índice dobrou, correspondendo a R$ 2,7 bilhões dos R$ 11 bilhões desembolsados no Estado”, comparou Coutinho.

Na semana passada, quando os números dos dois primeiros meses do ano foram divulgados pelo BNDES, esse movimento já podia ser verificado: houve crescimento de 7% nos desembolsos no BNDES, mantendo a forte influência do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) no desempenho do banco estatal. As pequenas e médias empresas responderam por 45% do total, enquanto as liberações para grandes empresas ficaram praticamente estáveis, somando R$ 9,5 bilhões entre janeiro e fevereiro.

Desembolsos

O total de desembolso do BNDES ao Paraná nos dois primeiros meses deste ano chegou perto de R$ 1,7 bilhões, enquanto o valor ficou em R$ 1,3 bilhões no mesmo período de 2010. A indústria foi responsável por R$ 535 milhões nesse início de ano, com R$ 178 milhões para material de transporte e R$ 138 milhões para alimentos e bebidas. O desembolso para a agropecuária ficou em R$ 264 milhões e a infraestrutura com R$ 523 milhões.

Em todo o Brasil, o desembolso foi de R$ 17,1 bilhões somando janeiro e fevereiro, um crescimento de 8% em relação aos dois primeiros meses de 2010.