A fabricante norte-americana de aviões Boeing obteve lucro líquido de US$ 1,05 bilhão (US$ 1,35 por ação) no segundo trimestre deste ano, revertendo prejuízo líquido de US$ 160 milhões (US$ 0,21 por ação) registrado em igual período do ano passado. Esse número incluiu um encargo extraordinário de US$ 1 07 bilhão (US$ 1,18 por ação), relacionado a um acordo com o Departamento de Justiça e a atrasos de contratos militares estrangeiros.

A receita cresceu 14% entre os dois trimestres, para US$ 17,03 bilhões. Em média, analistas haviam estimado lucro de US$ 1,16 por ação e receita de US$ 16,2 bilhões.

As entregas de aviões comerciais pela companhia cresceram 18%, para 114 unidades no segundo trimestre deste ano. As encomendas totalizaram 360 aeronaves e os pedidos em carteira bateram o recorde de US$ 208 bilhões. A companhia é beneficiada pela recuperação das empresas aéreas, que, depois de uma crise que durou cinco anos, estão finalmente começando a substituir os modelos antigos de sua frota em 2007. A receita dessa divisão aumentou 22%, para US$ 8,71 bilhões, enquanto o lucro saltou 34% para US$ 960 milhões.

A companhia também elevou suas previsões de resultados e agora espera lucro de US$ 4,80 a US$ 4,95 por ação para este ano, e receita de cerca de US$ 65 bilhões. As previsões anteriores eram de lucro de US$ 4,55 a US$ 4,75 por ação, e receita de cerca de US$ 64,5 bilhões. As informações são da Dow Jones.