As ações negociadas em Tóquio fecharam em baixa nesta quarta-feira, em meio a um enfraquecimento do dólar ante o iene e novas quedas nos preços do petróleo e outras commodities. Este cenário contribuiu para manter o clima sombrio que tem tomado conta dos investidores nos últimos dias, cada vez mais preocupados com os rumos da economia global.

Com isso, o índice Nikkei encerrou o dia com perda de 1,71%, a 16.795,96 pontos, marcando o menor nível desde 16 de dezembro.

Na terça-feira, o Banco Mundial reduziu suas projeções de crescimento para a economia global em 2014, para 2,6%, e 2015, para 3%. As revisões alimentaram o sentimento pessimista que envolve os agentes do mercado. Soma-se a isso novos recuos de algumas das principais commodities, como o petróleo para entrega em fevereiro, que tocou o valor de US$ 45,01 por barril na mínima do dia, na Nymex; e o cobre para março, que atingiu seu menor nível em cinco anos em meio, na Comex.

A percepção de instabilidade resultou em uma maior procura pelo iene, considerado um ativo de segurança pelos investidores. A moeda ganhou força frente ao dólar, que chegou a cair para um patamar um pouco abaixo de 117 ienes. “O dólar mais fraco é mais um fator para ferir o apetite no mercado de ações no Japão”, disse Takashi Matsumoto, estrategista da Okasan Securities. “Mas é potencialmente ameaçador, como um sinal de desaceleração do crescimento global.”

O analista Nicholas Smith, da CLSA, disse ainda que “a incerteza política na Europa, combinada com a volatilidade no mercado de petróleo, indica que parece provável que faça o investimento em ações passe em branco em janeiro”. “Em uma projeção de 12 meses, o dólar deve ficar em 120 ienes. Mas no curto prazo, a aversão ao risco deve levá-lo a 115 ienes, se as tensões continuarem altas”, completou.

No noticiário corporativo, as ações de empresas produtoras de metais lideraram as maiores quedas. A Sumitomo Metal Mining perdeu 8,1%, enquanto a Dowa Holdings recuou 4,9%. A JFE Holdings e a Nippon Steel & Sumitomo Metal Corp fecharam em queda de 5,3% e 3,7%, respectivamente. Entre as exportadoras, sensíveis ao enfraquecimento do dólar, a Toyota caiu 1,6% e Kyocera perdeu 3,0%. Com informações da Dow Jones Newswires