O Bradesco estuda reduzir os juros no crédito imobiliário com recursos da poupança na tentativa de rentabilizar os R$ 4 bilhões que terá de folga de capital com as medidas de estímulo ao segmento anunciadas na quinta-feira, 28, pelo governo, segundo Domingos Figueiredo de Abreu, diretor vice-presidente do banco. Hoje, a taxa mínima cobrada nas linhas do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), conforme ele, é de 9,8%.

“Estamos estudando como sermos mais competitivos para estimular a demanda e utilizar esses R$ 4 bilhões. É um movimento que também deve ser acompanhado pela concorrência que tende a baixar os juros no crédito imobiliário com recursos da poupança”, afirmou Abreu, em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Segundo ele, a demanda por crédito imobiliário está um pouco pior do que no primeiro trimestre em meio à falta de confiança das pessoas em relação à taxa de desemprego. “As medidas de incentivo ao crédito imobiliário ajudam um pouco porque há migração de recursos da poupança por conta dos juros mais altos, mas não devem ser o direcionador para o mercado voltar a crescer. O grande impulso é confiança e taxa mais baixa”, disse Abreu.