O Departamento Econômico do Bradesco faz uma leitura mais otimista da inflação do atacado com base na comparação do IGP-DI de setembro com o IGP-M do mesmo mês. De acordo com a equipe comandada pelo economista Octavio de Barros, se, por um lado, o IGP-DI mostra uma aceleração na remarcação dos preços no atacado, de 0,46% em agosto para 1,36% em setembro, o indicador traz também uma desaceleração em relação ao IGP-M, que encerrou o mês passado exibindo alta de 1,50%.

“Tal comportamento foi explicado pela variação menos intensa dos preços agrícolas no atacado (2,04%, frente aos 2,97% apurados anteriormente) em função das menores incertezas em relação à safra norte-americana”, afirmam os economistas em relatório que o banco distribuiu a seus clientes nesta terça-feira, 8.

Já os preços industriais, dizem os economistas, subiram com mais força (1,85% em relação ao 1,79% exibido na última leitura), refletindo a aceleração do minério de ferro. “Quando descontada a variação desse item, houve desaceleração em comparação ao IGP-M, em razão do fortalecimento da moeda brasileira nas últimas semanas”, avalia a mesma equipe.. “Com isso, o IPA-DI registrou alta de 1,90%.”

“Para os próximos meses, acreditamos em descompressão adicional dos IGPs, esperando confirmação da safra recorde nos Estados Unidos e acreditando que o real se mantenha em torno do nível atual”, dizem os economistas do banco.