Brasília – O ministro Antônio Palocci Filho (Fazenda) anunciou ontem a elevação da meta de 2004 do superávit primário de 4,25% para 4,50% do PIB (Produto Interno Bruto), após reunião realizada com o presidente Lula e os ministros José Dirceu (Casa Civil) e Guido Mantega (Planejamento), no Palácio da Alvorada. O superávit primário é a diferença entre gastos e receitas do governo, normalmente usada para o pagamento de juros da dívida pública. Desde a semana passada, o Planalto sinalizava a intenção de elevar o aperto fiscal, criticada pela oposição e setor produtivo, mas aplaudida pelo mercado financeiro, principalmente por bancos estrangeiros. Inicialmente, a meta acertada com o FMI (Fundo Monetário Internacional) era economizar em 2004 pelo menos R$ 71,5 bilhões para pagar juros da dívida. Com o aumento da meta de R$ 4,25% para 4,50% do PIB, o esforço fiscal do governo terá um valor adicional estimado entre R$ 4,2 bilhões e R$ 4,3 bilhões.