O Brasil e a América Latina estão preparados para lidar com a transição da economia mundial, mas a região não pode esquecer, neste momento, de mudanças no cenário externo e da agenda de reformas estruturais. A avaliação é do diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central (BC), Luiz Awazu Pereira, que participa nesta quinta-feira, 10, de uma discussão na capital norte-americana sobre o futuro latino-americano em tempos de mudanças.

Awazu disse que o Brasil tem volume alto de reservas internacionais e que parece haver um pessimismo excessivo dos investidores com relação ao País e à América Latina. O mercado financeiro, disse, teve uma certa reação exagerada à possibilidade de mudança da política monetária dos Estados Unidos. “Neste momento, é importante preservar a estabilidade econômica e a América Latina tem capacidade de administrar uma maior volatilidade”, afirmou no evento.