São Paulo ? A exportação de petróleo brasileiro para os Emirados Árabes atingiu US$ 300 milhões em 2002 e, neste ano, já superou a marca de US$ 400 milhões. Embora o país árabe seja um dos principais produtores de petróleo do mundo e tenha o óleo mais caro e de melhor qualidade, a indústria local precisa importar um tipo de petróleo mais pesado para efetuar as misturas utilizadas no asfalto, no óleo diesel, e na produção de cosméticos e petroquímicos. A Petrobrás abastece os Emirados com um produto que chega a um preço mais barato do que o oferecido pela vizinha Arábia Saudita.

Os Emirados são um país jovem que completaram recentemente 35 anos de independência, mas já nasceram como potência econômica forte, pois possuem a terceira maior reserva de petróleo do globo e a quarta maior de gás natural. ?As reservas de petróleo dos Emirados Árabes devem manter o mesmo nível de produção durante os próximos 200 anos, o que gera uma renda anual de quase US$ 100 bilhões?, conta Ricardo Sapah, embaixador brasileiro em Dubai.

Com estes recursos o governo desenvolveu uma estrutura de comércio internacional que se expandiu pelos países do Oriente Médio, Índia, Ásia Central, se estendendo pelo continente africano até a África do Sul. Segundo o embaixador, esta rede, com sede em Dubai, possui mais de 7 mil empresas de comércio internacional que tiveram grande impulso com a Guerra do Golfo.

?Só este ano, o Brasil exportou US$ 800 milhões para os Emirados que revenderam boa parte desses produtos através da rede internacional?, conta Sapha. Segundo ele, os produtos brasileiros são de qualidade equivalente aos da indústria americana e européia, com a vantagem de serem, em média, entre 25% e 30% mais baratos. Além disso, os produtos brasileiros são melhores que os chineses, comprados por preços bem mais baixos. ?Estamos em uma faixa de mercado que nos torna muito competitivos internacionalmente. Isto é o que tem proporcionado uma posição de destaque no mercado árabe?, explica.

Nos últimos dois anos, as exportações brasileiras para os Emirados Árabes cresceram 37%, totalizando US$ 743,6 milhões só em 2002. Deste total, US$ 130 milhões foram em venda de açúcar. Segundo o embaixador, esse número não é maior por falta de produção, pois a demanda árabe é crescente. Os produtos alimentícios brasileiros são vendidos por praticamente todos os supermercados dos Emirados e com grande variedade. Artigos tipicamente brasileiros, como a castanha do Pará, podem ser encontrados facilmente.

A população dos Emirados tem uma renda per capita anual de US$ 18.860,00, o que favorece o consumo de importados. Outro fator positivo para as relações entre os dois países é a imagem que os árabes tem dos brasileiros, principalmente por compartilharem a paixão pelo futebol. ?Atualmente temos 40 jogadores e 20 técnicos brasileiros atuando no futebol local?, declara o diplomata.